Quando carreira e propósito se alinham: conheça a experiência profissional de Amanda – Amani Institute

Blog

Quando carreira e propósito se alinham: conheça a experiência profissional de Amanda

A Amani Fellow conta sua experiência trabalhando com jovens engajados.

Você já pensou em se dedicar a uma carreira alinhada com os seus valores e que transforme não só a vida das pessoas, mas também contribua a mudar mundo? Entrevistamos Amanda Segnini, que fez o Programa de Gestão em Inovação Social (Social Innovation Management Program – SIM) do Amani Institute em 2015 em São Paulo, e que se dedica a fazer do mundo um lugar melhor através do seu trabalho com jovens.

“Quando eu fui para o Amani, eu já estava trabalhando no Engajamundo, foi em um momento que eu queria encontrar habilidades que eu conseguisse aplicar no terceiro setor, foi uma transição de curso, eu estava fazendo um outro curso voltado para o mundo corporativo, mas eu não me identificava com as pessoas e o formato daquele curso, foi aí que eu fui procurar o Amani – e se encaixou perfeitamente.”, Amanda relata.

Até alguns meses atrás, Amanda fazia parte do Comitê Facilitador da ONG Engajamundo, o “Engaja” trabalha com formação, mobilização e participação de jovens brasileiros – e o principal objetivo é que o jovem entenda que mudando a si mesmo e ao seu entorno, e conhecendo as ferramentas de transformação política, ele pode transformar a sua realidade.

A ONG trabalha com cinco temáticas principais: mudanças climáticas, biodiversidade, desenvolvimento sustentável, gênero e cidades através de atividades como grupos de estudos para se aprofundar nas temáticas, e também a participação nacional ou internacional em conferências, conselhos municipais e/ou nacionais, colocando o jovem como parte da tomada de decisão em temas cruciais para o futuro do Brasil e do mundo.

Durante o Programa de Gestão em Inovação Social, cada participante tem que desenvolver um projeto que sirva como solução para a organização em que trabalha. “Eu desenvolvi um projeto dentro do Engaja, um projeto de expansão. A gente trabalhava com temáticas de forma online e queríamos expandir no território, e no final do ano a gente já tinha treze (13) núcleos locais/regionais”.

A organização é pensada de jovem para jovem – somente pessoas de 15 a 29 anos podem participar – idade estabelecida pelo ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) como juventude. Pensando nisso, ao se aproximar dos trinta (30) anos, os membros do Comitê Facilitador, que é o núcleo administrativo do Engajamundo, passam por um processo de transição para que voluntários da rede possam ter essa oportunidade. “Neste ano acontece a minha transição e da Flávia Martinelli que entrou em 2016, entrando duas pessoas novas que também são articuladoras da rede.”, disse Amanda.

Ainda que tenha somente 28 anos, para Amanda era o momento de mudar de ciclo. Nessa transição, mais uma vez fica claro o compromisso não somente de conhecer a teoria, mas de que a prática se aproxime dos processos democráticos e inclusivos que Amanda quer ver acontecendo no mundo.

“Desde o começo, o Engaja tem preocupação com diversidade regional, a ONG nasceu em São Paulo, e então foram surgindo outras discussões como a diversidade e inclusão LGBT+ e também racial, em 2018 o processo de transição começou a ser pensado e pensamos ‘por que não abrir vagas afirmativas?’”.

Segundo Amanda, o processo foi pensado não somente para abrir as vagas afirmativas mas para criar o melhor ambiente possível para que as mulheres negras se sentissem confortáveis e avançassem juntas nesse processo. Outra especificidade desta seleção foi que no final as próprias participantes decidiram quem deveria ocupar as vagas, através de uma votação direta.

Após um processo profundamente democrático de transição, que contou com o suporte de Mari Miranda, duas articuladoras negras passaram a integrar o Comitê Facilitador do Engajamundo – Kinda de Feira de Santana, Bahia e Thalita de Manaus, Amazonas.

Atualmente, Amanda acaba de assumir um novo desafio na Agenda Pública, onde é responsável por conceber um Festival para divulgar e engajar a população com a Agenda 2030, agenda das Nações Unidas que tem como objetivo alcançar um mundo mais sustentável.

Foto: Conrado Lessa















Wednesday June 26th, 2019 by Jau Santoli

Related content